quinta-feira, 30 de junho de 2011

Série meu portfólio

A luta muitas vezes é considerada “briga”, porém isso não é verdade. Na imagem nota-se o domínio de um dos atores da cena, com as regras sendo observadas pelo árbitro atentamente. Além do vigor e vontade do atleta em vencer.
Foto: Robertson Luz

quarta-feira, 29 de junho de 2011

O Voto em Imagens


Eleição e o voto são temas de exposição fotográfica

As Eleições 2010 mobilizaram o país inteiro e diante da importância do ato de votar, quatro fotógrafos de Curitiba promoveram uma cobertura fotográfica diferenciada no dia da votação. O resultado desse desafio resultou na exposição “O voto em Imagens – pequenos fragmentos visuais de um dia de eleição”, que ficará exposta nas Livrarias Curitiba, do Shopping Estação, a partir do dia 1 de julho.

A mostra é composta por 24 imagens e foram capturadas por quatro fotógrafos de forma independente, sem cunho partidário ou ideológico com a intenção de mesclar olhares e opiniões acerca do pleito.

André Rodrigues, Marcos Xreda, Marco Lima e Hans M. C. Basso, tentaram captar, dentro do que uma imagem fotográfica e a prática do fotojornalismo permitem, a diversidade do dia da eleição em Curitiba e região. As lentes focaram as relações sociais, pessoais, emocionais, estruturais e formais de uma importante data no contexto democrático do Brasil.

O dia da votação foi escolhido porque é o ponto áureo da eleição. De algumas conversas informais surgiu a ideia. Em pauta estava fotografar os desvios no uso da propaganda eleitoral, mas novas sugestões surgiram e evoluímos para uma proposta mais conceitual e abrangente.

Fotógrafos
André Rodrigues
Radicado em Curitiba desde 1998, buscou realização profissional nas artes gráficas, porém, foi no Jornalismo e na Fotografia que encontrou um caminho para trilhar. Há cerca de 10 anos vem se dedicando ao eterno aprendizado da fotografia e atua de forma independente (freelancer) nas mais variadas áreas e segmentos.

Hans M.C. Basso
Nascido em Milão, Itália, reside em Curitiba desde julho de 2010. Especializado em fotografia social-humanitária, viajou mais de 33 países, trabalhando com as principais ONG's nacionais e internacionais italianas. Possui experiência fotográfica nos setores de moda, fotorreportagem, eventos, teatro e televisão.

Marco Lima
Fotojornalista paranaense. Tem 40 anos, sendo 20 na profissão. Viveu 5 anos em Washington onde aperfeiçoou sua técnica e apurou o olhar. Decidiu retornar para o Brasil e fixar-se em Curitiba. Dedicando-se à fotografia documental, ensaios e coberturas factuais para mídias nacionais e internacionais. Optou pela independência de ser freelancer.

Marcos Xreda
Xreda se denomina um perseguidor de expressões e sensações. Jornalista formado tem se especializado no fotodocumentarismo, trabalhando principalmente com a fotografia de pessoas em situações cotidianas ou extremas. Fotografa desde 2008 e já tem diversos projetos em andamento. Com a abrangência da arte fotográfica também atua na área comercial

Serviço:
O voto em imagens – exposição fotográfica coletiva
Onde: Livrarias Curitiba – shopping Estação
Data: 1 de julho a 30 de julho
Horário de visitas: segunda a sábado, das 10 às 22 horas; domingo das 14 às 20 horas
Para saber mais acesse: votoemimagens.blogspot.com
Entrada franca

sábado, 25 de junho de 2011

Série meu portfólio

Bombeiros trabalham na remoção dos corpos dos jovens Gimar Yared e Carlos Murilo, mortos em acidente causado pelo ex-deputado Fernando Ribas Carli Filho.

Foto: João Carlos Frigério/Plantão 190

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Mestres da fotografia


A National Geographic Brasil lança o livro “Mestres da Fotografia”, com cerca de 300 imagens emblemáticas feitas por quatro grandes fotógrafos - Steve McCurry, Michael Nichols, Michael Yamashita e David Doubilet - todos constantes colaboradores da revista.

Entre os feras, McCurry, conhecido pela magistral capacidade artística e ímpeto documentarista; Nichols, uma referência no campo da fotografia por sua habilidade em iluminar espaços obscuros; Yamashita, um especialista em seguir as trilhas tanto de homens como de paisagens; e David Doubilet, considerado o melhor fotógrafo submarino de todos os tempos.

O livro tem preço sugerido de R$120

terça-feira, 21 de junho de 2011

Fotógrafo e ONG – parceiros numa boa causa

O fotógrafo Joka Madruga mandou bem na sua iniciativa. Joka vai disponibilizar a logo da ONGQuatro Patas em suas fotos em todo o primeiro turno do Brasileirão. A ação é uma maneira de apoiar e incentivar o trabalho da organização.

A iniciativa surgiu com a campanha do fotógrafo em cobrir os jogos do Atlético Paranense na Copa do Brasil. A diretora Georgia colaborou com uma passagem de avião para Joka cobrir um jogo do time rubro-negro no Rio. A passagem foi possível graças ao acúmulo de milhagens por parte da diretora. Numa proposta de apoio, o repórter fotográfico considerou mais que válido apoiar a Quatro Patas e divulgar a entidade.

Quem visitar o site da Quatro Patas vai descobrir que a entidade tem como meta cuidar dos animais (gatos, cachorros) e trabalha sem fins lucrativos na tentativa de castrar gratuitamente animais de Curitiba e região, além de conscientizar a população sobre a posse consciente. Traduzindo: penam pra cachorro – desculpem o trocadilho, na empreitada e missão de minimizar a proliferação sem controle e maus-tratos nos animais.

Joka disse que pretende de alguma forma ajudar a entidade. Pelo menos essa é a meta. “O site furacao.com tem cerca de um milhão de visitantes por mês. Se uma destas pessoas já contribuir, creio que valeu à pena”, destaca.

Quem quiser colaborar pode acessar o site da Quatro Patas. Doações são bem-vindas de qualquer forma. Inclusive há vendas de produtos como camisetas, moletons, canecas, adesivos, batons, canetas, entre outros. Colabre, for please!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Série meu portfólio


Foto: Heuler Andrey/DiaEsportivo

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Série meu portfólio

No chile, na praia de contitucion, um soldado patrula a praia porque ainda existiam corpos no local.

Foto: Lineu Filho

terça-feira, 14 de junho de 2011

Série meu portfólio

Idoso é carregado em cadeira por bombeiros e moradores que trabalharam no resgate das vítimas da tragédia em Santa Catarina.
Foto: João Carlos Frigério/Plantão 190

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Marcha de Mobilização dos Catadores de Materiais Recicláveis

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva participou como convidado de honra na última quinta-feira (9), em Curitiba, da Marcha de Mobilização dos Catadores de Materiais Recicláveis. Lula afirmou que apoia a manifestação. Durante a mobilização, Lula elogiou a escolha de Gleisi Hofmann para comandar a Casa Civil.







Fotos: Franklin de Freitas/Jornal do Estado

domingo, 12 de junho de 2011

Série meu portfólio

Técnico Mano Menezes durante treino da Seleção Brasileira no Estádio Serra Dourada em Goiânia-GO onde o Brasil enfrenta a Seleção Holandesa.

Foto: Heuler Andrey/DiaEsportivo

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Série meu portfólio

Criança recupera chinelo em meio aos escombros de residência queimada em Piraquara.

Foto: João Carlos Frigério

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Série meu portfólio

Esta imagem é a retratação da pesca artesanal caiçara presente em Superagui, no momento em que o pescador retira a rede. O contra luz torna o registro ainda mais bonito.
Foto: Robertson Luz

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Série meu portfólio

Roberto Requião em visita 7.ª Conferência Executiva de Segurança Pública para a América do Sul. Curitiba - PR
Foto: Elton Damasio

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Olha aqui

Denis Ferreira Netto, Jonas Oliveira e ao fundo Valquir Aureliano.
Foto: Daniel Caron

sábado, 4 de junho de 2011

Valores de referência: vilão ou aliado?

Quem acessou o site da Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Estado de São Paulo (Arfoc SP) conferiu que a entidade está convocando os associados para uma assembleia geral ordinária, que será realizada no próximo dia 7. Em pauta está discutir o balanço 2010 e atualizar a tabela de referência. Com base nessa informação levanto o acerca da tabela de referência é sua importância para a atuação do fotógrafo freelancer.

Número-guia
No mercado fotográfico há tabelas norteadoras de como cobrar pelo serviço prestado, inclusive no fotojornalismo. Sugestões de preço e até mesmo dicas de como avaliar o serviço prestado, considerando relação custo, hora, pré e pós-produção, desgaste do “equipa” e assim por diante. Interessante, pois a tabela é o guia e representa o mínimo recomendado. Além disso, diz respeito ao valor digno para que um profissional (no caso jornalista) possa efetuar o trabalho e viver dignamente, segundo defende as entidades de classe.

A Arfoc faz o indicativo para a categoria. De exemplo, temos a Arfoc Rio, que disponibiliza em seu site procedimentos e orientações para o fotógrafo seguir a tabela. “O roteiro para cálculo dos valores desta tabela foi retirado da publicação ‘Direitos Autorais dos Jornalistas’, série ‘Documentos da FENAJ’, vol. IV. De acordo com o artigo 10 do Código de Ética dos Jornalistas, o repórter-fotográfico não pode aceitar oferta de remuneração em desacordo com o piso salarial da categoria ou com a tabela fixada pela sua entidade de classe. Repórter Cinematográfico – Fotojornalista”.

E como o assunto é tabela e valor referencial para o trabalho independente, podemos destacar a Arfoc SP, que tem como referência o valor de R$ 425 reais (editorial) para saídas de até três horas e R$ 680 para saídas até 5 horas. A Arfoc Rio indica o valor de R$ 359 para saída até três horas, e R$ 543 para jornadas até cinco horas. O valor corresponde produção sem tratamento. No Rio, o mínimo salarial para contratação de R$ 4.092. A Arfoc Paraná trabalha com o valor de R$ 359 - até três horas. O piso salarial mínimo no Estado é de R$ 2.049 reais.

Valores norteadores existem, no entanto, nos bastidores, quem vive da fotografia sabe que o mar ora tem marés altas ora baixas e para fisgar um peixe, faz-se necessário aventurar num cenário (mercado) que, inclusive, há fotógrafos explorando os próprios colegas. A concorrência é acirrada e há quem diga que é difícil fazer cumprir o valor proposto. Quando se fala de acrescentar adicionais no orçamento, como transporte, hospedagem, alimentação, seguro, nota fiscal, credenciamento, entre outros, a coisa degringola de vez.

A língua afiada dos mais veteranos geralmente destila veneno apontando para os iniciantes e de fotógrafos aventureiros que vão disparar seus flashes na área. Assessorias, empresas e contratantes em geral, que não são bobos, ao invés de contratar um profissional formado e credenciado, apelam para o primeiro estrépito que aceita o orçamento de “duzentão”. Somado a isso, temos um cenário em que não há emprego (fixo) para todos, pois como dizem por aí: “balance a árvore que cai fotografo”. Logo, a alternativa, muitas vezes, é cair na barganha e solar o menor valor e dessa forma pegar o trabalho.

O presidente da Arfoc Paraná, Irany Carlos Magno, diz que alguns fotógrafos banalizam a profissão ao se sujeitarem a uma saída fotográfica abaixo do preço sugerido pela entidade. Além disso, “estragam o mercado”. Para Magno, o ideal é balizar o valor da proposta de trabalho sempre acima do indicativo, caso contrário não haveria necessidade de uma referência. Níveis de complexidade também precisam ser considerados (como o tempo, por exemplo).

Em relação ao valor de R$ 359 (vigente desde 2010), Magno diz que é pouco para o trabalho de um fotojornalista, considerando a saída fotográfica até três horas – sem tratamento de imagem. “Muito pouco na verdade, pelo custo de material, pelo tipo de trabalho que o fotógrafo vai prestar”, opina.


O diretor de imagem do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor), repórter fotográfico e editor do Jornal do Estado (JE), Franklin de Freitas, reforça a importância de se ter uma tabela de referencia para poder instituir os valores de atuação, inclusive para trabalhos no qual não há envolvimento editorial. Afinal, com essa onda de “fotojornalismo” em casamento, em eventos diversos, o fotógrafo que tem experiência direta em fotojornalismo acaba angariando frilas. “Muitos contratantes pagam valores altos para som, iluminação, recepcionistas, decoração, entre outros, porém, querem pagar R$ 200 para um repórter fotográfico e repórter cinematográfico”, salienta.

Opinião
“Eu faço cumprir os valores”, diz Franklin de Freitas, que além de sua função como repórter fotográfico e editor de fotografia também faz alguns frilas para completar o orçamento. “Como diretor, o mínimo que tenho que fazer é valorizar o trabalho do repórter fotográfico e fazer os contratantes saberem que somos profissionais e vivemos da fotografia.”.


Joka Madruga, atuante como freelancer, também se posiciona a favor de um valor referencial e diz não ter dificuldades em estabelecer o valor proposto pela tabela. Entretanto, ressalta que não há como fugir da famosa “relação relativa” com o cliente. “Cada caso é um caso”, diz. Segundo Joka, trata-se do único instrumento que temos para balizar as negociações com os veículos de comunicação. “Os valores são uma referência, acredito que cada profissional sabe o seu valor e tem livre arbítrio para cobrar para mais ou para menos. Porém, quando cobra menos ele colabora para a desvalorização da profissão”, reforça.

O fotojornalista Rodolfo Bührer fez boas imagens como contratado no jornal Gazeta do Povo, agora está galgando espaço com sua empresa, a Agência La Imagem. Rodolfo defende a tabela e diz não ter dificuldades na hora de sentar à mesa para negociar. “A tabela da Arfoc é muito importante para que tenhamos uma base, um parâmetro institucionalizado e que deve ser respeitada por todos nós que gostamos da profissão e vivemos disso”, enfatiza.

Entretanto, Rodolfo chama atenção para o fato de que os valores praticados estão abaixo da expectativa. “Atualmente ela esta defasada, principalmente em relação com as tabelas de outros estados. Mas creio que nos dá um bom indicativo de valores”, opina.

Proteção legal
Um adendo para essa questão, pois tem relação contigua com o tema em questão. O contrato é o melhor caminho para evitar problemas, tanto no que diz respeito aos valores de trabalho e a respectiva reprodução de imagens. Bom tanto para o profissional quanto para o contratante.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo disponibiliza em seu site sugestões de tabela e de modelos de contrato. A Associação Brasileira dos Fotógrafos de Publicidade também tem algumas sugestões.

Há quem defenda que, mesmo com a popularização/democratização da prática fotográfica, setores ditos profissionais não foram alterados ou sofreram perdas drásticas. O talento e a capacidade de efetuar o trabalho é característica de um bom fotógrafo. Entretanto, vale dizer que, há sim uma desconsideração pelo profissional – aquele que vive da fotografia. No balaio de gato comercial, amadores, aventureiros e profissionais são colocados no mesmo saco e a barganha ganha força. Novatos, na ansiedade de adentrarem no dito “mundo profissional”, arrebentam a profissão e o valor mínimo de trabalho. Sobre este ponto poderíamos viajar no raciocínio e ir longe. Questionamentos surgiriam, tal como a regulamentação da profissão, banalização do ato fotográfico, livre iniciativa, oferta e procura e assim por diante. Porém, o problema é bem complexo, afinal envolve uma profissão, uma forma de ganhar a vida. Mas, diante dessa problemática, podemos focar e avaliar casos e deixar que cada um (fotógrafo ou contratante) avalie sua respectiva área de atuação.


Foto: Heuler Andrey (Franklin de Freitas)

Para seguir o blogue no Twitter - @angulocerto